sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Comencrítica | O Hobbit - Uma jornada inesperada

Por Lucas Madureira e Thandara Yung



Anões, Elfos, Feiticeiros, Orcs, Trolls e, é claro, Hobbits estão de volta aos cinemas. A Terra-Média mais uma vez fará brilhar os olhos dos espectadores. Peter Jackson trouxe o mundo místico de O Hobbit para as telonas de modo muito eficiente, assim como fez com a Trilogia de O Senhor dos Anéis. Sem ignorar sua primeira trilogia de sucesso, o diretor uniu as histórias com uma resolução simples: Bilbo, o hobbit contador de histórias, vai contar toda sua aventura para Frodo.

Vale ressaltar que a história se passa 60 anos antes da aventura de Frodo, em O Senhor dos Anéis. Bilbo Bolseiro, "O" hobbit, (o tio de Frodo) parte do Condado em uma missão com Gandalf, ainda O Cinzento, e a comitiva de Thorin, Escudo de Carvalho e mais 12 anões. A missão tem o objetivo de reconquistar o lar - e o tesouro - dos anões, A Montanha Solitária, que foi tomada por Smaug, o Terrível, um dragão sedento por ouro. O grupo dos 15 corajosos aventureiros passa por muitos perigos e ameaças antes de chegar ao seu destino.

Palmas para a roterização, que transformou duas horas e meia de projeção em uma piscada. O roteiro foi tão bem armado que não se sente o tempo passar. Ele proporciona momentos de risos, principalmente por conta do bom humor e das piadas dos anões, de tensão e tranquilidade. A trilha sonora encaixa perfeitamente em cada cena, desde as mais divertidas até as mais tristes e de batalhas. Há três trilhas fixas: uma para a aventura dos anões (Misty Mountains), e outras para quando se fala do Condado e para quando as situações vividas na trilogia do anel são apresentadas (nesse ponto, a trilhas dos três primeiros filmes se repetem).

Em meio a tantas escolhas acertadas, Martin Freeman para viver o protagonista de pés cabeludos é a melhor delas. Primeiro, pela semelhança física com Ian Holm - o Bilbo de 111 anos que é conhecido em A Sociedade do Anel. Segundo, porque ele incorpora com perfeição todas as características "hobbitescas" apresentadas nas descrições de Tolkien sobre a raça. Ainda nas boas escolhas, a solução encontrada para que cada um dos 13 anões fosse completamente diferente um do outro. Aparência e atitudes tornam fácil diferenciar Fili, Kili, Balin, Dwalin, Oin, Glóin (pai do Gmli), Dori, Nori, Ori, Bifur, Bofur, Bombur e Thorin Escudo de Carvalho.

Os efeitos especiais são um outro ponto brilhante do longa, mas não dava para ser diferente. A Terra-Média não seria nada nas telonas sem eles. Só se sente falta de ver o dragão, pois Jackson optou por mostrar apenas algumas partes dele, não o corpo todo. A Nova Zelândia ajuda bastante com suas belezas naturais. Não dá para imaginar outro local para o set de filmagem da Terra-Média. Ainda sobre efeitos especiais, se existe um personagem que cresceu por conta dos dez anos que separam os primeiros filmes, ele foi Gollum. O personagem está ainda mais realista e a repulsa por sua magreza e olhos esbugalhados é ainda mais forte.



E o livro? Para a alegria de fãs e Tolkien-maníacos, a boa e velha fidelidade está muito presente. Em certos momentos - como quando o Bolsão, a toca de Bilbo, é apresentado - é possível lembrar da sensação de virar as páginas e ler os diálogos e descrições do autor. Mais uma vez, um filme feito por fãs, para fãs.

Uma das principais preocupações tem sido em relação à necessidade de assistir à trilogia de Senhor dos Anéis antes. Afinal, dá para entender o filme? Sim. No entanto, algumas sutiliezas serão perdidas, detalhes que só quem assistiu à trilogia do Anel consegue perceber. Por exemplo, Ferroada, a espada usada por Frodo - que fica azul quando Orcs se aproximam - foi um presente de Bilbo. Em O Hobbit, o público toma conhecimento de como o Bolseiro orginal a conseguiu.  Outro exemplo é Smeagol/Gollum, que se torna um personagem mais interessante quando se tem noção da importância dele em O Senhor dos Anéis. Não é imprescindível assistir a trilogia para entender, mas é essencial para que se consiga curtir e aproveitar cada conexão entre os filmes.

Percebeu mais detalhes que só vê quem já assistiu O Senhor dos Anéis? Viu O Hobbit sem ver a trilogia Senhor dos Anéis? O que achou? Conta pra gente! Esteja à vontade para usar o espaço para os comentários aí embaixo ou puxar papo lá no Twitter. @centraldecinema @lucasmadureira @thandyung

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...