segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Os livros que inspiraram os indicados ao Oscar

Por Ericka Guimarães

Que o cinema se inspira na literatura em vários momentos nós estamos carecas de saber. Então o Central de Cinema vai mostrar pra você em que fonte beberam os indicados à categoria Melhor Filme desse ano.

Cavalo de Guerra é um livro infanto-juvenil escrito por Michael Morpurgo, em 1982. Baseado neste livro, o super hiper ultra mega Steven Spielberg fez o seu último filme. A história é contada durante a Primeira Guerra Mundial (Spielberg já devia estar entediado com a Segunda). Joey, o cavalo da capa e do título, acaba percorrendo toda a Europa em guerra depois de ser vendido para o exército inglês e acompanha os horrores do conflito e a destruição que ele causa. 
Melhor Filme, Trilha Sonora Original, Direção de Arte, Fotografia, Edição de Som,  Mixagem de Som.


Hugo Cabret é um menino órfão e vive escondido numa estação de trem em Paris, lá em 1930. Ele deve ser praticamente invisível porque guarda um segredo incrível. Mas esse segredo fica ameaçado quando ele encontra o dono de uma loja de brinquedos e a afilhada.
Melhor Filme, Trilha Sonora Original, Direção de Arte, Fotografia, Figurino, Diretor, Edição, Edição de Som, Mixagem de Som, Efeitos Visuais, Roteiro Adaptado.



Extremamente Alto & Incrivelmente Perto (Tão Forte e Tão Perto)
Sabe aquele momento que antecede uma tragédia, que depois que passa a gente fica imaginando qual foi o último momento de felicidade da pessoa ou que ela não teve tempo de dizer o quanto amava as pessoas? Pois é. Oskar é um garoto de 9 anos que perde o pai no atentado às Torres Gêmeas do World Trade Center. O menino acredita que foi o último a ouvir as últimas palavras do pai, deixadas na secretária eletrônica.
Melhor Filme e Ator Coadjuvante



A Resposta (Histórias Cruzadas)
História de otimismo ambientada no Mississippi em 1962, durante a gestação do movimento dos direitos civis nos EUA. Eugenia 'Skeeter' Phelan, jovem que acabou de se graduar e quer virar escritora, encontra a resistência da mãe, que quer vê-la casada. Aconselhada a escrever sobre o que a incomoda, 'Skeeter' encontra um tema em duas mulheres negras - Aibileen, empregada que já ajudou a criar 17 crianças brancas, mas chora a perda do próprio filho, e Minny, cozinheira de mão cheia que não arruma emprego porque não leva desaforo dos patrões para casa.
Melhor Filme, Melhor Atriz e Melhor Atriz Coadjuvante (com duas atrizes!) 

A Autobiografia de Alice B. Toklas (Meia-Noite em Paris)
Bom, essa informação é nova pra mim. De acordo com o blog da Editora L&PM, este foi o livro que inspirou Meia-Noite em Paris. Diferente dos livros citados acima, Woody Allen (seu lindo!) não transformou a história exatamente como é  contada no livro em filme. Mas é nesta obra que Gertrude Stein conta sobre as reuniões em sua casa com os famosos (desconhecidos na época) Picasso, Matisse, Hemingway, Jean Cocteau e Scott Fitzgerald e outros, na Paris do início do século XX.
Melhor Filme, Melhor Roteiro Original, Direção de Arte e Diretor.


Mathew King é descendente de uma princesa havaiana. A vida, porém, não vai muito bem. A mulher sofreu um acidente e está em coma no hospital. Uma das filhas esteve envolvida com drogas e a outra gosta de descobrir as coisas por conta própria e é ávida por atenção. A familia agora é comandada por Mathew. Ele precisa comandá-la sem a esposa, conhecer melhor as filhas e conhecer o próprio Mathew King.
Melhor Filme, Melhor Ator, Diretor, Edição e Roteiro Adaptado 


Moneyball - O Homem que Mudou o Jogo
(se souberem da edição em português desse livro, é só avisar nos comentários)
Michael Lewis realmente gosta de escrever sobre histórias de superação no esporte. O filme Um Sonho Possível também foi baseado em um livro dele. Em O Homem que Mudou o Jogo, o gerente do time de baseball Oakland Athletics, que perdeu a temporada de 2002, resolve usar um novo método, apresentado por um economista e que usa fórmulas matemáticas e estatísticas para montar o time.
Melhor Filme, Melhor Ator, Ator Coadjuvante, Edição e Mixagem de Som



Polemizando: e aí, o filme é melhor que o livro?

Leia também: Oscar 2012: saudosismo e melancolia

Sigam-me os bons!
@erickacris


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...