quinta-feira, 23 de junho de 2011

Estamira - A beira do mundo

Por Ericka Guimarães




Esta é a Estamira. Estamira está em todo lugar.

O documentário leva o nome da personagem que se diz portadora da verdade. Aos 63 anos é catadora de lixo no aterro sanitário Jardim Gramacho, no Rio de Janeiro (sim, o mesmo de o Lixo Extraordinário). Diagnosticada com problemas mentais, Estamira possui uma lucidez, uma visão de mundo invejável a qualquer pessoa "normal".

Nó na garganta. Inquietação. Esses sentimentos vão acompanhar o espectador durante todo o filme. Seja vendo os urubus "tomando banho", as montanhas intermináveis de lixo, vendo ela preparar a comida para a família com macarrão e palmito em conserva que ela achou, vendo o chorume borbulhando ou com as incansáveis moscas que rodeiam o lixo e quem está no meio dele.

Talvez ela nunca tenha sido uma pessoa plenamente sã, mas a vida também não colaborou muito. O avô a levou para prostituição aos 12 anos. O marido, de acordo com a filha, mesmo gostando muito dela, a tratava mal e tinha casos na rua (às vezes trazia os casos para dentro de casa). O marido, então, colocou Estamira e a filha para fora de casa. Chegou a ser estuprada duas vezes. Acontecimentos que ela julgava ser uma provação de Deus. Aos poucos as frases dela deixaram de fazer sentido para os familiares.

“Eu sou a visão de cada um. Ninguém pode viver sem mim. A minha missão, além de eu ser Estamira, é revelar a verdade... Capturar a mentira e jogar na cara. Ensinar a eles o que eles não sabem.”

"A culpa é do hipócrita, mentiroso, esperto ao contrário, que joga a pedra e esconde a mão."

"A solução é o fogo. Queimar tudo os espaços, os seres, e colocar outros seres no lugar."

"Eu sou perturbada, mas eu distingo a perturbação. Minha mãe, coitada, não distinguia. Mas também, pudera, eu sou Estamira! Se eu não distinguisse a perturbação eu não sou Estamira, eu não seria, eu não era"

Talvez ela não seja tão louca assim. Estamira, o formato homem par se define como a salvadora, aquela que veio para mostrar a verdade para as pessoas e lutar contra o Trocadilo. Ela, que diz que conheceu Jesus e que já sabia de toda verdade antes mesmo de virar carne e sangue, também dá uma lição de meio ambiente e mostra (aliás, joga na cara) como a nossa sociedade é consumista.

"Isso aqui é um depósito dos restos. Às vezes é só resto. E às vezes vem também descuido. Resto e descuido. Quem revelou o homem como único condicional ensinou ele a conservar as coisas. E conservar as coisas é proteger, lavar, limpar e usar mais, o quanto pode. Você tem sua camisa. Você está vestido, você está suado. Você não vai tirar sua camisa e jogar fora. Você não pode fazer isso. Quem revelou o homem como único condicional não ensinou a trair, não ensinou humilhar, não ensinou tirar. Ensinou ajudar. Miséria não, mas as regras, sim. Economizar as coisas é maravilhoso. Porque quem economiza tem. Então as pessoas têm que prestar atenção no que eles usam, no que eles têm. Porque ficar sem é muito ruim."

Precisa ser louco para perceber que esse caminho de desperdício e consumismo desenfreado não tem volta?

As imagens provocam um sentimento esquisito. Marcos Prado (produtor de Tropa de Elite 1 e 2, Os Carvoeiros e Ônibus 174) consegue fazer você olhar para todo aquele lixo, todo aquele abandono e pensar "Nossa, que nojo" e ao mesmo tempo estar pensando "Uau." Enquanto ela filosofa você vê imagens do Jardim Gramacho de um colorido intenso e outras em preto e branco e não consegue dizer qual das duas tem uma carga dramática maior. A revoada de urubus e sacos plásticos simbolizou, para mim, o abandono: tanto do lixo quanto das pessoas que ali estão. Dá para dizer que o lixo pode ser belo?

Estamira reflete também sobre o tratamento psiquiátrico dado a ela e aos outros pacientes. Para ela, são todos tratados com os mesmo remédios e alguns deles fazem o seu estado piorar. "Com o Diazepan eu fico mais louca ainda". Existe, inclusive um movimento que pede reformas no tratamento dado a pacientes com problemas psiquiátricos.

Enfim, eu posso escrever o quanto quiser que não vou conseguir traduzir Estamira em palavras. Tem que assistir para entender (ou tentar, pelo menos). Achei um aplicativo do Facebook com várias frases dela.

E se você acha que eu estou falando um monte de besteiras, tem uma galera que pode ter um pouco de razão: "alguns" prêmios que o documentário conquistou: (Wikipédia)

  • Festival do Rio - 2004
Prêmio de Melhor Documentário pelo Júri Oficial
  • Mostra Internacional de Cinema em São Paulo - 2004
Prêmio de Melhor Documentário pelo Júri Oficial
  • Festival Internacional de Documentário de Marseille - 2005
Grande Prêmio do FIDMarseille
Prêmio de "Groupement National des Cinémas de Recherche (GNCR)"
  • Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary - 2005
Prêmio de Melhor Documentário
  • Festival Internacional de Cinema de Viena (Viennale) - 2005
Prêmio de Melhor Filme Longa-Metragem pelo FIPRESCI
  • Festival Internacional de Havanna - 2005
Terceiro Prêmio Coral de Documentário
Prêmio de Melhor Documentário em Memória a Pablo de la Torriente Brau
  • 4º Festival Internacional de Direitos Humanos de Nuremberg - 2005
Grande Prêmio de Cinema de Direitos Humanos de Nuremberg
  • Festival Internacional de Cinema de Londres - 2005
Menção Honrosa
  • Festival Internacional de Cinema de Miami - 2005
Prêmio Especial do Júri
  • 18° Reencontro de Cinema Latino-americano de Toulouse - 2006
Prêmio SIGNIS de Melhor Documentário
  • 9º Festival Internacional Cine Las Americas, Texas - 2006
Menção Especial do Júri
  • FICA – Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental - 2005
Prêmio de Melhor Filme Longa-Metragem
Prêmio de Melhor Filme pelo Voto da Imprensa
Prêmio de Melhor Filme pelo Voto Popular
  • 2º Festival de Cinema de Belém do Pará - 2005
Prêmio de Melhor Filme Longa-Metragem
Prêmio de Melhor Fotografia
  • 11º Cine Eco - Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental, Serra da Estrela, Portugal - 2005
Prêmio de Melhor Filme
Menção Honrosa da Juventude
  • Ekofilm - 31º Festival Internacional de Cinema Ambiental, República Tcheca - 2005
Prêmio de Melhor Documentário
Prêmio de Melhor Direção de Arte
  • I Festival do Cinema Brasileiro de Goiânia - 2005
Prêmio de Melhor Documentário Longa-Metragem


Alguém teria notícias recentes sobre a Estamira?

[atualizado] - http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/951418-morre-protagonista-do-documentario-estamira.shtml



Estamira em DVD

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...